Publicidade
POLÍTICA

‘Respeitamos o teto de gastos e queremos responsabilidade fiscal’, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro reafirmou o compromisso com o teto de gastos em pronunciamento nesta quarta-feira (12).

“Respeitamos o teto de gastos e queremos responsabilidade fiscal”, afirmou, após reunião com os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“Em que pese o problema da pandemia, o Brasil está bem, a economia está reagindo. Decidimos nesta reunião direcionar nossas forças para o bem comum, queremos o progresso, o desenvolvimento e o bem-estar do nosso povo”, disse Bolsonaro, acrescentando que privatizações e reformas também foram assunto do encontro.

O ministro Paulo Guedes participou do evento, mas não se manifestou à imprensa.

O pronunciamento acontece após a saída de dois secretários especiais do ministério da Economia, Salim Mattar e Paulo Uebel. Em entrevista, Guedes disse haver uma “debandada” na equipe e que “furar” o teto de gastos seria o caminho para um impeachment de Bolsonaro.

Maia e Alcolumbre

Os presidentes do Legislativo também se pronunciaram no mesmo sentido. Rodrigo Maia disse que reafirmar o compromisso com o cumprimento do teto é “reafirmar o compromisso com o futuro do país”, mas que ainda há muito a ser feito.

“A reforma administrativa, assim que o presidente entender que é importante, a Câmara dos Deputados está pronta para debater, discutir e aprovar uma reforma que tem apenas um objetivo, melhorar a qualidade do gasto público e, principalmente, do serviço público”, declarou.

Já Alcolumbre disse que o encontro foi um “nivelamento de informações” e que o Congresso nunca faltou ao governo, dando encaminhamento às propostas enviadas. “A compreensão da sociedade é de interação positiva do Parlamento com o Executivo”, disse.

Debandada da economia

Nesta terça (11), ao anunciar a saída dos secretários de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, e de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, Paulo Guedes disse que houve uma “debandada” em sua equipe.

“Se me perguntarem se houve uma debandada hoje, houve”, afirmou.

Segundo ele, Mattar estaria insatisfeito com o ritmo das privatizações. Em entrevista à CNN, o ex-secretário confirmou a versão e disse que a lentidão se deve à classe política.

“Quem dita tudo isso é a política. A política não tem interesse de privatizar, por isso que está lento o processo”, disse.

Teto de gastos

Na entrevista de terça, Guedes também disse que auxiliares aconselham o presidente Jair Bolsonaro a desrespeitar o teto de gastos.

“Não haverá nenhum apoio do Ministério da Economia a ministros fura-teto”, disse ele, sem citar nomes. “Os conselheiros que estão aconselhando a pular a cerca e furar teto vão levar o presidente a uma zona sombria, de impeachment, de irresponsabilidade fiscal”.

Desde 2017, o gasto máximo do governo é limitado ao orçamento do ano anterior, corrigido pela inflação. No entanto, com a pandemia do novo coronavírus, há questionamento a esse mecanismo, que limitaria o investimento para a retomada econômica.

Fonte: CNN BRASIL


Publicidade

Anterior

Polícia cumpre mais de 100 mandados de prisão no RJ por violência contra mulher

Seguinte

Coronavírus em frango brasileiro exportado para China estava em embalagem, diz associação