Publicidade
SAÚDE

Reino Unido aprova vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Moderna

O Reino Unido aprovou, nesta sexta-feira (8), a vacina contra a Covid-19 fabricada pela empresa Moderna. O imunizante é o terceiro a ser aprovado pelos britânicos – mas estará disponível apenas a partir de março.

A primeira vacina aprovada na região foi a da Pfizer/BioNTech, que começou a ser distribuída no início de dezembro. O Reino Unido também foi o primeiro a aprovar a vacina de Oxford/AstraZeneca, que começou a ser aplicada nesta semana.

“Já vacinamos quase 1,5 milhão de pessoas em todo o Reino Unido, e a vacina da Moderna nos permitirá acelerar nosso programa de vacinação”, disse o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock.

O Reino Unido garantiu, por meio de contratos, pelo menos 17 milhões de doses da vacina da Moderna. Segundo o Ministério da Saúde do país, elas serão entregues no início da primavera do hemisfério norte – a partir de março deste ano.

A vacina da Moderna já foi aprovada para uso na União Europeia, nos Estados Unidos, no Canadá e em Israel. Ela age no corpo humano de forma muito parecida com a vacina da Pfizer – também aprovada nestes países (leia mais sobre a tecnologia mRNA abaixo).

Na segunda (4), a Moderna afirmou que teria condições de produzir, neste ano, 600 milhões de doses de vacinas. O número representa 100 milhões de doses a mais do que a meta anterior, que era de 500 milhões.

Tecnologia

Assim como a vacina da Pfizer, a da Moderna usa moléculas de mRNA (ácido ribonucléico mensageiro) para fazer com que as células humanas produzam imunidade ao “espinho” do coronavírus e, assim, evitar que ele consiga se fixar nelas.

As duas empresas usaram uma formulação ligeiramente diferente, que resultou em requisitos diferentes de armazenamento refrigerado: -70°C para a Pfizer e -20°C para Moderna – com isso, a vacina da Moderna não precisa ser guardada em ultracongeladores, o que facilita sua distribuição.

A Moderna, uma pequena empresa de biotecnologia sediada em Massachusetts, fez parceria com cientistas do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos para desenvolver a vacina.

Os trabalhos começaram em janeiro, logo após a China compartilhar o genoma do vírus Sars-Cov-2, segundo a agência France Presse.

De acordo com testes clínicos com 30,4 mil voluntários, a vacina da Moderna é 94,1% eficaz na prevenção da Covid-19 em comparação ao placebo, com desempenho ligeiramente melhor em adultos jovens em comparação com idosos.

Fonte: G1


Publicidade

Anterior

Vasco empata com o Atlético-GO e deixa a zona do rebaixamento

Seguinte

Vacina da Pfizer e da BioNTech mostra eficácia contra mutações do coronavírus, aponta estudo preliminar