Publicidade
DNews

Procon/Campos orienta consumidores sobre compra de material escolar

Pesquisa foi realizada pelo Procon/Campos, em oito papelarias da cidade, nos dias 9 e 10 de janeiro.. – Foto: Arquivo Agência Brasil

Com a proximidade do início do ano letivo, começa a corrida de pais e responsáveis pelo material escolar de seus filhos. Por este motivo, o Procon de Campos fez um levantamento, em 8 papelarias da cidade, nos dias 9 e 10 de janeiro, com dicas importantes ao consumidor para economizar. O órgão alerta que foram encontradas diferenças de até 400% no preço de produtos similares.

— Antes de sair às compras, os pais precisam verificar quais itens restaram do período letivo anterior e avaliar a possibilidade de reaproveitá-los e em seguida fazer pesquisa de preços e comparar os valores em diferentes estabelecimentos — disse o superintendente do Procon, Douglas Leonard.

Para uma maior economia, a orientação é que se evite produtos com personagens, logotipos e acessórios licenciados, porque geralmente os preços são mais elevados. Outra dica é reunir-se com outros pais para conseguir maiores descontos, negociar a troca de livros usados por novos ou ainda restaurar livros já usados, mas que continuam sendo utilizados pela escola.

— As escolas são obrigadas a fornecer a lista de materiais escolares para que os pais dos alunos possam pesquisar preços e escolher o fornecedor que preferir. A instituição de ensino não pode exigir marca de produtos e estabelecimentos comerciais para compra do material escolar, devendo ser livre a escolha do consumidor — ressalta.

O governo federal proibiu os estabelecimentos de ensino de incluírem na lista de materiais escolares itens de uso coletivo (Lei Nº 12.886/13). Pincel para quadro branco, toner, álcool, copos descartáveis e material de limpeza, são exemplos de materiais de uso coletivo.

Fonte: Sup. Comunicação


Publicidade

Anterior

Ipea aponta que índice de investimentos de empresas caiu 0,7% de outubro para novembro

Seguinte

Polícia Militar frusta assalto com reféns em São Francisco do Itabapoana