Publicidade
DNewsSAÚDE

OMS mostra ‘descompasso’ com idas e vindas durante a pandemia

A OMS (Organização Mundial da Saúde) parece caminhar em descompasso. Pouco mais de 24 horas após a líder do programa de emergências da entidade, Maria van Kerkhove, indicar que a transmissão do novo coronavírus por pacientes sem sintomas parecia ser “rara”, o órgão veio à público para esclarecer que o contágio acontece, sim, mas ainda não se sabe a dimensão. O caso, entretanto, está longe de representar uma situação isolada.

A organização, que tem respaldado ações de combate à pandemia promovidas por agentes públicos em diversos países do mundo —incluindo lideranças brasileiras—, em apenas três meses já suspendeu e retomou estudo clínico com a hidroxicloroquina, “reavaliou” orientações para uso de máscaras e, também, segue sendo criticada pela demora com que classificou a situação epidemiológica mundial como “pandemia”, cerca de 90 dias após os primeiros registros da infecção respiratória em Wuhan, na China.

Demora para reconhecer pandemia

Mesmo com evidências de que o novo vírus havia se espalhado por diversos continentes, a OMS só decretou estado de “pandemia” no dia 11 de março. A demora, no entanto, ainda é criticada por especialistas em saúde do mundo todo, que afirmam que uma indicação mais rápida poderia ter ajudado “frear” a disseminação do Sars-CoV-2.

Semanas antes, no dia 26 de fevereiro, Tedros Adhanom chegou a dizer que não era necessário ter pressa para classificar o surto do novo coronavírus, mesmo com os indicadores mostrando crescimento significativo de ocorrências fora da cidade chinesa. À época, de acordo com Tedros, o país oriental acumulava 78.190 infectados e 2.718 mortes. Enquanto fora, 37 países já tinham 2.790 casos e 44 óbitos.

Aqui no Brasil, o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, chegou a reconhecer publicamente que a organização “demorou” para oficializar a situação. Segundo o ex-chefe da pasta, em coletiva de imprensa à época, a declaração tardia influenciou no atraso da adoção de protocolos mais rígidos.

A OMS anunciou na semana passada a retomada dos testes solidários com hidroxicloroquina, uma semana e meia depois de anunciar que ia suspender os testes com o medicamento. A substância é uma das várias sendo estudadas para tratar pacientes com sintomas severos de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

A organização havia suspendido os testes com o medicamento, indicado para o tratamento da malária e de doenças autoimunes, por preocupação com a segurança do remédio para tratar de pacientes com covid-19.

Desde então, os dados sobre a hidroxicloroquina foram revistos pela equipe de Testes Solidários e, “com base nos dados de mortalidade disponíveis, os membros do comitê disseram que não existem razões para modificar o protocolo de testes”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanon.

Fonte: R7


Publicidade

Anterior

Petrobras planeja retomada gradual das atividades presenciais

Seguinte

Maia sugere cortar salários dos 3 poderes para prorrogar auxílio emergencial