Publicidade
DNews

Número de moradores de rua aumenta nas praias do Rio

As praias do Rio de Janeiro têm se tornado albergues a céu aberto durante a noite. Na orla da cidade, centenas de moradores de rua usam as areias para dormir. Pesquisa divulgada em março pela Prefeitura do Rio afirma que quase cinco mil pessoas vivem nas ruas da capital. Este dado é questionado, já que é bem menor que o estudo publicado há dois anos, que apontava 15 mil moradores de rua.

“Estes dados não nos geram confiança. A olho nu, observando a cidade, nós vemos um crescente de pessoas nas ruas do Rio de Janeiro, em todos os bairros. Hoje você vê homens jovens, sadios fisicamente, e estão na rua. Isso gera a compreensão de que falta oportunidade de trabalho para muitas dessas pessoas, ou muitas dessas pessoas não estão habilitadas para o mercado de trabalho atual”, explicou a assistente social Hilda Oliveira

Marcos, que veio de Natal, chegou ao Rio em busca de uma oportunidade. Mas há dois anos ele se mudou para as ruas. “Por causa de bebida e de uns problemas que aconteceram comigo, ‘deu ruim’. Até chegar a esse ponto. Para mim, eu estou usando como escola, uma aprendizagem”.

Para não levar problemas para a esposa, ele foi morar nas areias de Copacabana. “Os meus problemas da rua, eu não quero dividir com ela. Ela não merece porque foi só bênção na minha vida”.

De acordo com Hilda, a estrutura da cidade para os moradores de rua é bem menor do que a necessária. “O Rio de Janeiro deveria ter perto de dez centros de referência para a população de rua. Tem apenas dois. Este número é muito pequeno e seria um serviço de ótima qualidade para o primeiro atendimento a essas pessoas”.

Abrigos ineficazes

As condições dos abrigos também são alvo de críticas. “Hoje existe uma legislação que recomenda abrigos de até 50 pessoas. Que tenham quartos que acomodem quatro pessoas. Isso não é o que se aplica aos abrigos da cidade do Rio de Janeiro”, destacou a assistente social.

A ideia de um abrigo não passa pela cabeça de Marcos. Ele quer voltar para casa. “Antes do fim do ano eu vou para a minha terra. Eu quero ver o meu pai, minha mãe, a minha família. Dá uma segurança para eles, passar para eles que eu estou bem”.

Questionada, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos afirmou que o titular da pasta, João Mendes de Jesus, só dará entrevistas após tomar conhecimento sobre como a secretaria funciona.

Fonte: G1

Publicidade
Anterior

Petrobras tem lucro de R$ 6,96 bi no 1º tri, alta de 56,5%

Seguinte

Lava Jato investiga contrato de US$ 825 milhões da Petrobras