Publicidade
SAÚDE

Imunidade pode durar até oito meses após covid, sugere estudo

Conforme o tempo passa, cientistas do mundo todo conseguem analisar com mais consistência a duração da imunidade em pessoas que já tiveram a covid-19. Um estudo publicado na revista Licencies nesta quarta-feira (6) aponta que células de defesa contra o coronavírus SARS-CoV-2 foram detectadas até oito meses após a infecção.

Os pesquisadores, dos Estados Unidos, analisaram os títulos de anticorpos IgG, mas também focaram nas células de defesa dos tipos B e T.

Foram submetidas ao estudo 254 amostras de sangue de 188 pacientes recuperados da covid-19.

A maioria dos participantes (93%) não foi hospitalizada durante a doença — foram classificados como “casos leves”.

“A distribuição da gravidade desses casos foi consistente com a distribuição geral da gravidade da doença sintomática entre os casos de covid-19 nos EUA”, salientam os autores.

O artigo observa que entre 91% e 99% dos infectados pelo coronavírus têm a chamada soroconversão (desenvolvimento de anticorpos)

Em relação aos anticorpos IgG, os pesquisadores observaram que os níveis permaneceram “duráveis, com reduções modestas nos títulos de 6 a 8 meses”.

“É bem conhecido que a magnitude da resposta do anticorpo contra o SARS-CoV-2 é altamente heterogênea entre os indivíduos”, acrescentam, ao exemplificar que os níveis de IgG entre alguns participantes chegaram a ter uma diferença de 200 vezes.

Ao avaliar os níveis de células de defesa em pessoas já curadas da covid-19, os pesquisadores ressaltam que “as células T CD4 + específicas para SARS-CoV-2 e células T CD8 + estão associadas a menos gravidade da doença.

Identificar células de defesa em pacientes recuperados significa que se voltarem a ter contato com o coronavírus poderiam, então, ter uma forma menos grave da doença.

Todavia, ainda é cedo para fazer qualquer afirmação sobre a imunidade natural da covid-19, alertam os autores.

“Embora a memória imune seja a fonte da imunidade protetora de longo prazo, conclusões diretas sobre a imunidade protetora não podem ser feitas com base na quantificação de anticorpos circulantes SARS-CoV-2, células B de memória, células T CD8 + e células T CD4 + , porque os mecanismos de imunidade protetora contra SARS-CoV-2 ou covid-19 não estão definidos em humanos.”

Fonte: R7


Publicidade

Anterior

Mais de 250 toneladas de entulho recolhidas em dois dias de mutirão em Goitacazes

Seguinte

Covid-19: 354 milhões de doses estão asseguradas em 2021, diz Pazuello