Publicidade
DNews

Imprensa sofreu 11 mil ataques diários nas redes sociais em 2019, diz associação de rádio e TV

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) informou nesta quarta-feira (11) que a mídia profissional sofreu no ano passado 11 mil ataques por dia por meio de redes sociais – uma média de sete agressões por minuto. Os dados constam do relatório anual sobre Violações à Liberdade de Expressão.

Essa foi a primeira vez que a Abert incluiu os ataques virtuais em seu relatório. Segundo o presidente da entidade, Paulo Tonet, isso foi necessário porque os ataques virtuais “tomaram uma dimensão muito grande”. “As agressões virtuais são um quadro extremamente preocupante”, afirmou.

“Eu acho muito grave, muito preocupante, o aumento no número de agressões que pudemos contabilizar em 11 mil agressões por dia. Isso revela uma incompreensão com o papel que os jornalistas exercem na sociedade brasileira”, completou Tonet.

De acordo com estudo encomendado pela Abert à Bites, empresa de consultoria que faz o monitoramento do universo digital, dos 5.708 posts do presidente Jair Bolsonaro no Twitter, por exemplo, 432 continham críticas, insinuações e advertências sobre o trabalho dos veículos e jornalistas. “Esses conteúdos registraram 51,7 milhões de interações (compartilhamentos, retuítes, comentários e curtir), o equivalente a 7% das 737,4 milhões obtidas nos perfis do presidente no ano passado”, informou o documento.

“Esses conteúdos registraram 51,7 milhões de interações (compartilhamentos, retuítes, comentários e curtir), o equivalente a 7% das 737,4 milhões obtidas nos perfis do presidente no ano passado”, informou o documento.

Procurado pelo G1, o Palácio do Planalto informou que não vai comentar o levantamento da Abert.

A imprensa também sofreu ataques de perfis de esquerda. No ano passado foram 714 mil posts atacando a mídia profissional, um total de 1,9 mil ataques por dia.

A entidade alertou ainda para o avanço das agressões no começo de 2020. “Começamos mal”, disse Tonet.

“Tenho pouca esperança de que em 2021, quando o relatório for lançado aqui, a gente tenha a comemorar muita coisa”, afirmou o presidente da Abert.

Durante todo o ano, a pesquisa identificou 3,9 milhões de posts contra a imprensa brasileira, totalizando 10% de tudo que foi produzido. Esses posts incluem palavras de baixo calão ou com expressões que tentam desacreditar o trabalho da imprensa.

Agressões ‘presenciais’

Segundo a entidade, em 2019, 78 profissionais da imprensa foram vítimas de violência “presencial” no país no ano passado. No total, foram registrados 56 casos de violência não-letal presencial.

A entidade ressaltou que os autores das agressões foram, principalmente, políticos ou ocupantes de cargos públicos.

Os dados revelam queda de 50,87% no número de casos de violência não-letal em relação a 2018 e uma redução de 52,72% no número de vítimas.

Tonet destacou que, apesar dos dados de violência não-letal presencial terem reduzido, isso deve-se principalmente ao fato de que a entidade separou as agressões feitas por meio digital, o que acabou alterando a base de comparação.

No relatório, a entidade apontou que agressões físicas – socos, pontapés e disparos de bala de borracha, por exemplo – continuam sendo a principal forma de violência não-letal presencial. No ano passado foram relatados 24 casos, envolvendo 30 jornalistas. As ofensas vêm sem seguida, com 8 casos.

Fonte: G1


Publicidade

Anterior

Votação de projetos que dão a Congresso controle de R$ 19 bilhões pode ser suspensa

Seguinte

Flamengo domina o Barcelona-EQU e vence com tranquilidade: 3 a 0 no Maraca