Publicidade
REGIONALSAÚDE

Ferry admite que espera ‘segunda onda de Covid-19’ após reabertura do comércio no Rio

 Depois de seis adiamentos, o hospital de campanha de São Gonçalo foi enfim inaugurado na tarde desta quinta-feira. Apenas 40 dos 200 leitos previstos estão prontos, 20 deles de UTI e outros 20 de enfermaria. Depois do hospital do Maracanã, a unidade é a segunda de seis anunciadas pelo governo do estado a receber pacientes. A próxima a ser aberta deve ser o Hospital de Campanha de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, ainda sem data.

Durante a cerimônia de inauguração da unidade, no Clube Mauá, o secretário Fernando Ferry admitiu que, com a retomada das atividades econômicas no estado, espera uma nova onda de casos da Covid-19:

— Esperamos uma segunda onda com a abertura da economia. A economia tem que abrir, porque a arrecadação caiu muito e daqui a pouco não haveria dinheiro nem para pagar os médicos. Já caiu também o número de internações, mas a gente tem que estar preparado porque é possível que venha uma segunda onda — declarou.

Quinze médicos e cerca de 300 profissionais de enfermagem, entre técnicos, auxiliares e enfermeiros, compõem o quadro do hospital, que, de acordo com Ferry, já deve começar a receber pacientes através do sistema de regulação a partir das 19h desta quinta-feira.

— Não falta RH, não falta remédio, temos 40 respiradores funcionando, aptos para receber pacientes e espero que em breve a gente consiga outros 20 para aumentar a capacidade. Os leitos já foram oferecidos para a central de regulação e a partir das 19h já começaremos a receber pacientes — afirmou o secretário.

A rua de acesso à unidade, que chegou a ser apresentada como um dos entraves para sua inauguração, por ainda não estar asfaltada, teve o calçamento concluído horas antes da abertura do hospital, prevista para às 15h, mas que só aconteceu por volta das 16h. O hospital de campanha de São Gonçalo deveria ter sido entregue pelo Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas) no dia 30 de abril, e o de Nova Iguaçu, em 19 de maio, mas as datas anunciadas foram adiadas diversas vezes.

Em meio aos atrasos, a Organização Social (OS) foi afastada pelo estado depois de um escândalo envolvendo a cúpula da Secretaria de Estado de Saúde, que culminou na prisão do subsecretário executivo de Saúde Gabriel Neves e na exoneração do então secretário estadual de Saúde, Edmar Santos. A gestão dos hospitais de campanha passou para a Fundação Estadual de Saúde.

No último dia 11, o Iabas apresentou um recurso administrativo à Anvisa para 135 equipamentos de combate ao novo coronavírus retidos no aeroporto do Galeão serem liberados. A organização social acusa o governo do Estado de burocracia para a entrega dos equipamentos, que teriam sido aprovados para o tratamento de pacientes com o vírus pela Food and Drug Administration (FDA), agência de saúde dos Estados Unidos.

Fonte: O GLOBO


Publicidade

Anterior

Botafogo e Fluminense acionam TJD-RJ por mudança de data dos jogos do Carioca

Seguinte

Último dia para pedir auxílio emergencial é 2 de julho, diz presidente da Caixa