Publicidade
DNewsSAÚDE

Ex-secretário Edmar Santos é esperado na Alerj para falar sobre irregularidades na saúde do Rio

O ex-secretário de Saúde do Rio Edmar Santos é esperado para prestar esclarecimentos na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) nesta segunda-feira, dia 6, sobre as irregularidades na pasta do governo durante a pandemia do coronavírus.

Conforme o “Bom Dia Rio”, da TV Globo, Santos é aguardado para quinta sessão da audiência promovida pela Comissão de Fiscalização e de Saúde, que se inicia às 10h.

Ele era esperado para uma oitiva virtual no dia 24 de junho, quando prestaria depoimento na Alerj sobre as compras emergenciais feitas no combate à Covid-19. No entanto, o ex-secretário mas não compareceu.

Ao fim daquela sessão, a relatoria da comissão recebeu um comunicado do advogado de Santos, que será reconvocado, informando que a ausência ocorreu por ele já estar sendo investigado pelo STJ.

Edmar Santos deixou o cargo após denúncias de fraudes envolvendo contratos para construção de hospitais de campanha e compra de respiradores.

Os parlamentares criticaram o não comparecimento do ex-secretário, e alguns chegaram a afirmar que o movimento mostra que Edmar quer esconder irregularidades ocorridas durante sua gestão.

Um dos únicos a não se pronunciar foi o deputado Rodrigo Bacellar (SDD), relator do processo de impeachment de Witzel, e que, segundo o colunista Guilherme Amado, recebeu, por parte de integrantes do governo, a mensagem de que poderia indicar quem quisesse para a Secretaria do Governo.

Edmar foi substituído por Fernando Ferry, que ficou apenas 36 dias no cargo.

Na segunda-feira, ele Ferry anunciou seu pedido de demissão. Ao GLOBO, afirmou que nunca viu “um descalabro administrativo” tão grande e que “o poço é mais fundo do que pensava”.

Segundo ele, que era diretor do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle até assumir o cargo no governo, uma nova onda de protestos de servidores vai explodir nas próximas semanas, por conta de contratos que o estado deixou de renovar com organizações sociais que administram dez unidades de saúde.

Quem assumiu a pasta foi o tenente-coronel do Corpo de Bombeiros, Alex da Silva Bousquet.

Outros depoimentos

A comissão já definiu novas convocações para falar sobre o assunto: a do atual secretário de Saúde, Alex Bousquet e da ex-subsecretária de Gestão da Atenção Integral na SES, Mariana Scardua.

Esse depoimento é uma aposta dos parlamentares de conseguirem mais informações sobre contratos suspeitos, pois Mariana foi exonerada do governo após travar uma briga interna com o ex-subsecretário Gabriell Neves, preso na operação Mercadores do Caos.

Na época, ela teria demonstrado insatisfação com as compras estratégicas centralizadas por Neves. Ainda não há datas para essas oitivas, o que será definido semana que vem.

A comissão ainda cogita a convocação de Gabriell Neves, mas essa oitiva é mais complicada já que ele está preso. Segundo a deputada Martha Rocha, integrante da comissão, a Alerj entende que sua presença seria positiva, e ela não está descartada.

O que está se analisando, no momento, é um parecer da justiça para se saber exatamente a situação à qual ele está inserido, como, por exemplo, se o seu processo corre em sigilo de justiça.

Fonte: O GLOBO


Publicidade

Anterior

Uso de plasma de pacientes recuperados contra Covid-19 é promissor, dizem cientistas

Seguinte

Caixa libera novos saques do FGTS para nascidos em fevereiro nesta segunda; veja calendário