Publicidade
SAÚDE

Estudo: vacina de Oxford reduziria contágio em 67%

A vacina de Oxford contra a Covid-19 pode ter a capacidade de reduzir em até 67,6% a transmissão do novo coronavírus, apontaram cientistas da universidade em um estudo preliminar divulgado na terça-feira (2). A pesquisa está em fase de revisão por outros cientistas para ser publicada na revista “The Lancet”, uma das mais importantes do mundo.

É a primeira vez em que um estudo de fase 3 de uma vacina contra a Covid leva em conta os casos assintomáticos da doença. Esse dado ajuda a entender o quanto ela pode ajudar a reduzir a transmissão do coronavírus.

Os resultados foram calculados a partir de dados de 17.177 voluntários em três estudos separados (no Reino Unido, no Brasil e na África do Sul). Deles, 8.597 tomaram a vacina e 8.580 não tomaram (grupo controle). Veja os principais pontos:

  • Houve, ao todo, 507 testes positivos de PCR entre os 17.177 voluntários. O teste PCR positivo significa que a pessoa tem o coronavírus no corpo, mas não necessariamente que tem sintomas de Covid. Ou seja: esse número também engloba os casos assintomáticos da doença.
  • Desses casos, 161 foram nos que receberam a vacina (8.597 participantes), o que equivale a 1,9% dos voluntários. Os outros 346 foram nos que não receberam (8.580 participantes), o equivalente a 4% deles.
  • De forma geral, houve uma redução de 54,1% no número de casos no grupo vacinado em relação ao grupo não vacinado – considerando, pela primeira vez, os casos assintomáticos.
  • Nos voluntários que receberam uma meia dose da vacina seguida de uma dose padrão, houve uma redução de 67,6% nos casos de Covid no grupo vacinado em relação ao não vacinado, considerando os casos assintomáticos.
  • Nos que receberam duas doses padrão da vacina, a redução nos casos de Covid, mesmo os assintomáticos, foi de 49,5%. Esse foi o regime autorizado pela agência regulatória do Reino Unido.
  • No primeiro anúncio dos resultados de eficácia da vacina, os cientistas de Oxford já tinham visto que a dose menor seguida da dose padrão tinha uma eficácia maior do que as duas doses padrão. Os pesquisadores ainda não sabem por que isso aconteceu.

Fonte: G1


Publicidade

Anterior

Decreto atualiza medidas de prevenção ao coronavírus no município

Seguinte

Em documento a Bolsonaro, Pacheco e Lira vão insistir na prioridade da vacina