Publicidade
SAÚDE

Estudo revela que resfriado comum pode ajudar corpo a reagir contra coronavírus

A exposição ao rinovírus, a causa mais frequente do resfriado comum, pode proteger contra a infecção pelo vírus que causa a Covid-19; a descoberta foi feita por pesquisadores de Universidade de Yale, nos Estados Unidos.

Em um novo estudo, divulgado na última semana, os pesquisadores descobriram que o vírus respiratório comum inicia a atividade de genes estimulados por interferon, moléculas de resposta precoce no sistema imunológico que podem interromper a replicação do vírus SARS-CoV-2 nos tecidos das vias aéreas infectados com o resfriado.

O disparo dessas defesas no início da infecção por Covid-19 promete prevenir ou tratar a infecção, afirmou Ellen Foxman, professora assistente de medicina laboratorial e imunobiologia da Escola de Medicina de Yale e autora sênior do estudo.

Uma maneira de fazer isso é tratando pacientes com interferons, uma proteína do sistema imunológico que também está disponível como medicamento. “Mas tudo depende do momento”, disse Foxman.

Trabalhos anteriores mostraram que nos estágios posteriores de Covid-19, altos níveis de interferon se correlacionam com doenças piores e podem alimentar respostas imunológicas hiperativas. Mas estudos genéticos recentes mostram que genes estimulados por interferon também podem ser protetores em casos de infecção por Covid-19.

O laboratório de Foxman queria estudar este sistema de defesa no início do curso da infecção por Covid-19. Como os estudos anteriores do laboratório de Foxman mostraram que os vírus do resfriado comum podem proteger contra a gripe, eles decidiram estudar se os rinovírus teriam o mesmo impacto benéfico contra o vírus Covid-19.

Condução do estudo

Para o estudo, sua equipe infectou tecido das vias aéreas humanas cultivadas em laboratório com SARS-CoV-2 e descobriu que, nos primeiros três dias, a carga viral no tecido dobrou a cada seis horas. No entanto, a replicação do vírus Covid-19 foi completamente interrompida em tecido que havia sido exposto ao rinovírus.

Se as defesas antivirais fossem bloqueadas, o SARS-CoV-2 poderia se replicar no tecido das vias aéreas previamente exposto ao rinovírus.

As mesmas defesas retardam a infecção por SARS-CoV-2 mesmo sem rinovírus, mas apenas se a dose infecciosa for baixa, sugerindo que a carga viral no momento da exposição faz diferença para que o corpo possa combater a infecção de maneira eficaz.

Os pesquisadores também estudaram amostras de esfregaços nasais de pacientes diagnosticados perto do início da infecção. Eles encontraram evidências de rápido crescimento de SARS-CoV-2 nos primeiros dias de infecção, seguido pela ativação das defesas do corpo. De acordo com suas descobertas, o vírus normalmente aumentava rapidamente durante os primeiros dias de infecção, antes que as defesas do hospedeiro entrassem em ação, dobrando a cada seis horas; em alguns pacientes, o vírus cresceu ainda mais rápido.

“Parece haver um ponto ideal viral no início da Covid-19, durante o qual o vírus se replica exponencialmente antes de desencadear uma forte resposta de defesa”, disse Foxman.

Tratamento

O tratamento com interferon é promissor, mas pode ser complicado, disse ela, porque seria mais eficaz  se tratado imediatamente nos dias após a infecção, quando muitas pessoas não apresentam sintomas. Em teoria, o tratamento com interferon poderia ser usado preventivamente em pessoas de alto risco que estiveram em contato próximo com outras pessoas diagnosticadas com Covid-19. Os ensaios de interferon em Covid-19 estão em andamento e até agora mostram um possível benefício no início da infecção, mas não quando administrado posteriormente.

Essas descobertas podem ajudar a explicar por que, em épocas do ano em que os resfriados são comuns, as taxas de infecções por outros vírus, como a gripe, tendem a ser mais baixas, disse Foxman.

Há preocupações de que, à medida que as regras de distanciamento social diminuem, os vírus do resfriado comum e da gripe – que estiveram inativos no ano passado – voltem com mais força. A interferência entre os vírus respiratórios pode ser um fator atenuante, criando um “limite superior” no grau de co-circulação dos vírus respiratórios, afirmou ela.

“Existem interações ocultas entre os vírus que não entendemos muito bem, e essas descobertas são uma peça do quebra-cabeça que estamos examinando agora”, disse Foxman.

Fonte: CNN BRASIL


Publicidade

Anterior

China ultrapassa marca de 1 bilhão de doses de vacinas contra a Covid aplicadas

Seguinte

Saúde retorna aplicação da vacina contra Covid-19 por faixa etária hoje