Publicidade
SAÚDE

Dexametasona: OMS vai mudar orientações para tratar pacientes em estado grave

A Organização Mundial de Saúde (OMS) disse que vai atualizar as orientações sobre o tratamento de pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus. A medida, segundo a OMS, busca refletir os resultados de um teste clínico recente, que mostrou que um esteroide barato e comum pode ajudar a salvar os pacientes em estado grave.

Os resultados anunciados nessa terça-feira (16) mostraram que a dexametasona, usada desde os anos 1960 para reduzir a inflamação causada por doenças como artrite, diminuiu a taxa de mortalidade em cerca de um terço dos pacientes com Covid-19 internados em estado grave.

As orientações clínicas da OMS para tratar os infectados são voltadas a médicos e outros profissionais da saúde. A agência busca utilizar os dados mais recentes para informar essa categoria sobre a melhor maneira de lidar com todas as fases da doença, do processo de triagem até a alta.

Ainda que os resultados dos estudos com a dexametasona sejam preliminares, os pesquisadores envolvidos no projeto disseram que os dados indicam que o medicamento deveria,, imediatamente, se tornar padrão no tratamento de pacientes em estado grave.

Para os doentes que respiram por meio de ventiladores pulmonares, o tratamento mostrou uma redução de aproximadamente um terço da mortalidade. E para aqueles que apenas precisam de oxigênio, a taxa foi reduzida em cerca de um quinto, segundo os estudos preliminares compartilhados com a OMS.

A melhora foi identificada apenas em pacientes em estado grave. A ação da substância não foi analisada em pessoas com sintomas leves.

A notícia sobre a dexametasona surge no momento em que as infecções pelo novo coronavírus se aceleram em alguns países, como Estados Unidos, e em que Pequim decidiu cancelar diversos voos para ajudar a conter uma segunda onda de contaminação.

“Esse é o primeiro tratamento mostrado que reduz a mortalidade de pacientes com Covid-19 que precisam de oxigênio ou de ventilador pulmonar”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em um comunicado na noite de terça-feira. A agência disse que aguarda a análise completa dos dados do estudo dentro dos próximos dias.

Fonte: CNN BRASIL


Publicidade

Anterior

Comissão do Impeachment de Witzel começa a trabalhar nesta quinta-feira com apenas dois governistas

Seguinte

Bolsonaro empossa deputado Fábio Faria como ministro do novo Ministério das Comunicações