Publicidade
SAÚDE

Covid-19: teste da vacina da Pfizer será aberto à população no país

Diferentemente da vacina de Oxford e da Coronavac, que restringiram o terceiro e último teste, que está sendo realizado no país, a profissionais de saúde, a vacina da Pfizer, que teve testes iniciados nesta quarta-feira (5), ampliou a participação a toda a população.

Qualquer pessoa poderá se inscrever para os testes da vacina da Pfizer, em parceria com a empresa alemã BioNTech, contra a covid-19 no Brasil. Os primeiros 15 voluntários receberam a aplicação da vacina experimental nesta quarta-feira (5) no Cepic (Centro Paulista de Investigação Clínica), em São Paulo.

Segundo o reumatologista Cristiano Zerbini, diretor do Cepic (Centro Paulista de Investigação Clínica) e coordenador da pesquisa em São Paulo, essa fase contará com mil voluntários, divididos entre o Cepic a Instituição Obras Sociais Irmã Dulce na Bahia.

Dos 500 voluntários de São Paulo, 250 receberão a vacina e 250 receberão placebo. Zerbini explica que nem o médico nem o paciente saberão se o que está recebendo é placebo ou não. Até sexta-feira (7), as inscrições estão abertas e podem ser feitas por meio do site do Cepic.

“Até o fim dessa semana, teremos feito a aplicação em 50 participantes. Nas próximas 3 semanas, queremos aplicar em 150 participantes por semana, completando os 500 aqui de São Paulo.”

No questionário de inscrição, uma série de perguntas avaliam a possibilidade de participação ou não, mas Zerbini já adianta que para participar é necessário ter entre 18 e 85 anos, não estar grávida e não possuir doenças crônicas descompensadas, como diabetes e hipertensão.

“Nós vamos dar prioridade para quem tem mais chance de entrar em contato com o vírus, isso inclui profissionais da saúde, mas também funcionários de hospitais, como segurança, recepcionista e equipe de limpeza. A gente também pensa em outras pessoas, como quem mora em comunidades, quem usa muito transporte público e os profissionais do transporte.”

O médico explica que quanto maior variedade de gênero, raça e idade, melhor para o estudo. “Assim, conseguimos chegar perto da realidade da sociedade.”

O estudo tem um período de duração de dois anos, porém são realizadas análises durante todo o período e a vacina poderá ser disponibilizada antes do fim do estudo, se os resultados forem positivos. “Embora tenha 2 anos, as observações mais importantes são no primeiro ano.”

Zerbini acrescenta que “os resultados cientificamente observados, eu acredito que teremos no primeiro trimestre de 2021, isso de todas as vacinas. Depois, tem mais um tempo para ter uma boa distribuição, com logística e tudo. Acredito que ao fim do primeiro semestre de 2021 teremos vacinas disponíveis, duas, três, quatro, todas eficazes”.

A primeira e segunda fase já foram realizada e aprovadas e têm como objetivo testar a segurança e a imunogenicidade (capacidade do organismo produzir anticorpos). “A terceira fase também verifica a segurança e imunogenicidade, mas é mais focada em analisar a eficácia da vacina.”

A vacina desenvolvida pela Pfizer em parceria com a BioNTech utiliza a tecnologia de RNA mensageiro, nunca utilizada antes. Nessa tecnologia é aplicada a molécula de mRNA que carrega a receita para as células do corpo produzirem certas proteínas que estão presentes no vírus.

Depois que o corpo produz essa proteína, o sistema imunológico a identifica como um corpo estranho e começa a resposta imunológica. “A vantagem é que as vacinas de RNA podem ser fabricadas rapidamente usando apenas o código genético do patógeno”, afirma Márjori Dulcine, Diretora Médica da Pfizer Brasil.

Fonte: R7


Publicidade

Anterior

Sem apoio do governo, pesquisa da UFPel sobre prevalência da Covid terá 4ª fase com apoio da iniciativa privada

Seguinte

STF valida restrição para operações policiais no Rio