Publicidade
DNews

Conta de luz deve subir 15% a partir de julho com reajuste da bandeira vermelha

Diante da crise hídrica, o valor cobrado na bandeira vermelha 2, o patamar mais alto do sistema de tarifa extra de energia, deve subir mais de 60%, de acordo com fontes a par do assunto. Com isso, a conta de luz pode ficar pelo menos 15% mais cara a partir de julho.

A estimativa é do economista André Braz, coordenador de índices de preços da Fundação Getulio Vargas (FGV), que avalia ainda que esse custo maior da energia elétrica pode provocar um aumento de 0,60 ponto percentual na inflação mensal.

Os custos estão sendo calculados, e os novos valores devem ser anunciados ainda neste mês, para serem adotados a partir de julho.

Taxa extra até novembro

Hoje, são cobrados R$ 1,34 a cada cem quilowatts-hora (kWh) consumidos na bandeira amarela; R$ 4,16 na bandeira vermelha 1 e R$ 6,24 na vermelha 2.

Na bandeira verde não há cobrança adicional. Pelos cálculos conduzidos pela Aneel, o novo valor da bandeira vermelha 2 deve ser de cerca de R$ 10.

Analistas do setor estimam, porém, ser necessário algo próximo a R$ 12 na bandeira vermelha 2 para que ela consiga dar conta de cobrir os custos extras decorrentes da geração de energia por termelétricas. Essa bandeira deve vigorar pelo menos até novembro, quando tem início o período úmido.

— Vai ser um impacto enorme na conta das pessoas. Talvez valesse mais a pena fazer um racionamento, ainda que moderado, ou uma política de incentivo, dizendo que, se a pessoa economizar, por exemplo, 20% da conta, ela ganha desconto de 5%. Isso seria melhor porque estimularia a economia e daria um pequeno prêmio para quem fez esse esforço — avalia Braz

Mesmo durante o período úmido, o governo deve manter as térmicas ligadas, o que não é o padrão. Geralmente, recorre-se às térmicas quando chove menos ou no auge do período seco.

O objetivo agora é guardar água nos reservatórios das hidrelétricas e, quando chover, fazer com que as barragens se encham, numa tentativa de evitar um racionamento em 2022, ano de eleições. O governo rechaça a possibilidade de racionamento de energia neste ano.

Recorde em junho

O Brasil tem batido recordes de geração de energia por termelétricas desde maio, com o agravamento da crise. Os dez dias com maior geração de energia por termelétricas na História do Brasil foram registrados em junho deste ano, de acordo com dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

O país tem gerado cerca de 17 mil megawatts médios de energia por termelétricas diariamente neste mês, o que equivale a cerca de 25% da geração total de energia elétrica do país. Isso inclui térmicas a óleo e carvão, as mais caras e poluentes.

A geração por hidrelétricas está girando em torno de 60% do total. O país ainda gera energia por meio de usinas eólicas, solares e nucleares.

Aumento acima da inflação

A conta de luz tem representado um peso maior no orçamento das famílias brasileiras, sobretudo nos últimos dez anos. Dados do IBGE revelam que o custo da energia elétrica residencial subiu 96% entre 2011 e 2020, bem acima da inflação de 74% no mesmo período.

André Braz explica que, por trás dessa disparidade, há um “efeito cambial” associado à estrutura de custos da energia.

Enquanto a inflação das famílias registra a evolução dos preços de produtos e serviços consumidos, como vestuário e alimentação, o setor elétrico segue a dinâmica das matérias-primas, sendo boa parte delas dolarizada, cujos aumentos são repassados ao consumidor.

— O setor elétrico olha o custo de geração da energia, associado à evolução dos combustíveis fósseis, além do peso de insumos como minério de ferro e cobre — diz Braz.

E a tendência é que essa trajetória de energia mais cara, acima da inflação, continue. Com o agravamento da crise hídrica, analistas estimam que o custo da energia mantenha o IPCA mais pressionado até o fim do ano.

— Dadas as previsões de pouca chuva mesmo no período do verão, por causa do La Niña (fenômeno climático), há chance de a bandeira (vermelha 2) durar o ano inteiro. Devemos ter impactos mais permanentes dessa bandeira na inflação de 2021 — sinaliza Braz, que prevê alta de 6,4% para o IPCA no ano, mais de um ponto percentual acima do teto da meta para o ano, de 5,25%.

Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, lembra que a energia elétrica subiu nos últimos anos por diversos motivos, entre eles projetos como a medida provisória (MP) 579, convertida na Lei 12.783, durante o governo Dilma, em 2013.

A lei permitiu que empresas de energia antecipassem a renovação das concessões e, em troca, reduzissem a tarifa. A partir de 2014, porém, a seca esvaziou os reservatórios das hidrelétricas e forçou o acionamento das usinas térmicas.

— Tudo isso gerou desequilíbrios no setor, fazendo com que o preço da energia subisse — destaca.

Já este ano, em meio à seca histórica, Sanchez prevê que dezembro termine com bandeira vermelha patamar 1 — algo atípico, uma vez que o mês costuma ter bandeira amarela ou verde.

Ele avalia, contudo, que a crise hídrica deverá influenciar os aumentos das tarifas de energia somente no ano que vem, pois grande parte das companhias já fez seus reajustes em 2021.

— O potencial de dano para este ano é a bandeira tarifária — avalia Sanchez, que prevê que o IPCA de 2021 fique em 5,3%.

FONTE: O GLOBO


Publicidade

Anterior

Ompetro solicita que cidades acessem dados de produção

Seguinte

Covid-19: Campos com índices compatíveis à Fase Verde