Publicidade
REGIONAL

Colheita de abacaxi em Campos já ultrapassa 60% se comparada a anos anteriores

Já está entre 60% e 70%, a colheita de abacaxi em Campos, que nesta safra de 2020/2021, deve aumentar mais de 200% em relação à produção de 2017/2018. O índice é avaliado pelo secretário municipal de Agricultura, Robson Vieira, lembrando que se em uma, a colheita foi em torno de de 45 milhões de frutos, nesta a previsão é colher mais de 140 milhões ao final de fevereiro, quando termina a safra iniciada em setembro último.

– A Prefeitura de Campos, através da Secretaria Municipal de Agricultura, tem desempenhado importante papel nesse avanço da cultura no nosso município, auxiliando os pequenos produtores através do programa “Patrulha Mecanizada”, sem qualquer custo para eles. Atingindo a colheita de 140 milhões de frutos ao final desta safra, consolidaremos a condição de segundo maior produtor do estado, atrás apenas de São Francisco de Itabapoana – explica Robson Vieira.

Segundo o secretário, atualmente são cerca de 190 produtores, entre pequenos e médios, explorando com a cultura, uma área aproximada de 5.800 hectares, principalmente na Baixada Campista e região Norte do município, como o distrito de Travessão. Com o suporte da Prefeitura, a maioria deles, que antes explorava a cana-de-açúcar e a criação de gado bovino, apostou no abacaxi.

– No meu caso e de meus colegas daqui de Balança Rangel, em Travessão, vamos colher no ano que vem os frutos dessa ajuda da Prefeitura. Antes plantávamos cerca de 400 mil pés, na safra anterior subimos para um milhão e, agora, aumentamos para 2 milhões de pés. Fomos muito bem atendidos pela Secretaria de Agricultura, que chegou a colocar dois tratores trabalhando nas nossas propriedades – destaca Joel Pereira.

Ainda segundo o secretário de Agricultura, as primeiras colheitas do “abacaxi campista”, entre setembro e novembro, foram destinadas principalmente a outros estados, como Minas Gerais e São Paulo, além da capital fluminense. “Mas há casos de muitas cargas que saíram daqui até para o Sul do país, em Paraná e até Santa Catarina, a mais de mil quilômetros daqui. Eles, com certeza, pagam um preço melhor pelo fruto”, explica Robson Vieira.

Entre dezembro e fevereiro, os frutos são vendidos principalmente em Campos e municípios próximos, chegando à Região dos Lagos fluminense, principalmente Cabo Frio. “Foi uma aposta que deu certo entre muitas outras que temos investido nesses últimos quatro anos. Outra cultura que também vem crescendo muito é a do aipim, com bons preços em outros mercados. Campos tem tradição agrícola, um povo trabalhador e basta dar apoio, como temos feito”, conclui o secretário de Agricultura.

Fonte: Prefeitura de Campos


Publicidade

Anterior

Covid-19: Reino Unido inicia hoje plano de vacinação

Seguinte

Inflação medida pelo INPC tem alta de 0,95% em novembro