Publicidade
SAÚDE

Cerca de 85% das cidades brasileiras já vacinam pessoas abaixo de 50 anos

A campanha de imunização contra o novo coronavírus avança no Brasil. O último levantamento da Confederação Nacional de Municípios (CNM) mostra que 83,5% das cidades brasileiras já vacinam o público abaixo dos 50 anos de idade, fora do grupo prioritário.

A pesquisa ressalta que 54% dos municípios brasileiros imunizam atualmente pessoas entre 40 e 49 anos. Já 23,5% das cidades do país ampliaram a vacinação contra Covid-19 para o público que tem até 35 anos de idade. Outros 8% dos municípios vacinam a população com faixa etária inferior a 30 anos.

O resultado faz parte de um estudo semanal da CNM que retrata a situação pandêmica no Brasil. A pesquisa contou com a participação de 5,5 mil prefeitos entre 5 e 8 de julho.

O avanço no calendário vacinal contra o novo coronavírus também está relacionado ao aumento de doses importadas pelo Ministério da Saúde, segundo os dados divulgados pela pesquisa. Na última semana, apenas 15% das cidades brasileiras registraram escassez de vacinas.

No entanto, a cientista da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e professora de Harvard, Marcia Castro, ressaltou que os números apresentados pela pesquisa podem não representar necessariamente uma grande imunização. Ela explicou que parte da população decidiu não se vacinar.

“Antes de começar a comemorar, temos que observar a cobertura vacinal no país. Eu acho que temos uma parcela da população acima de 60 que ainda não foi vacinada. Qual é a cobertura vacinal entre essas pessoas?”, questionou a pesquisadora.

O Ministério da Saúde já vacinou 104,4 mil pessoas com pelo menos uma dose da vacina contra Covid-19, de acordo com os dados do Programa Nacional de Imunização (PNI). A imunização completa, com duas aplicações ou dose única, já foi consumada em 27 milhões de brasileiros.

FONTE: CNN BRASIL


Publicidade

Anterior

Covax Facility fecha acordo para distribuir Coronavac e vacina da Sinopharm

Seguinte

Avanço da vacinação deve separar curvas de casos e mortes por covid