Publicidade
REGIONAL

Casa em Cardoso Moreira desaba inteira logo após moradores saírem por determinação da Defesa Civil

Uma casa desabou na beira do Rio Muriaé, em Cardoso Moreira, na manhã desta quarta-feira (29). De acordo com a Defesa Civil, que registrou o momento exato em que a estrutura veio abaixo, o casal de moradores percebeu que muitas rachaduras e estalos começaram a aparecer após as inundações do fim de semana.

Os agentes foram acionados e, ao avaliarem o imóvel, determinaram que o homem e a mulher saíssem imediatamente. A casa desmoronou logo depois.

Os moradores do bairro Cachoeiro, na beira do rio Muriaé, só tiveram tempo de retirar alguns pertences, como documentos e roupas. Segundo o agente da Defesa Civil Fabrício Souza, o risco de desabamento era muito evidente e tudo aconteceu muito rápido.

Ela [a casa] estava sendo habitada até poucas horas antes. Eles acordaram, perceberam o problema e começaram a tirar as coisas. Só deu tempo deles tirarem poucos pertences, porque, assim que nós chegamos, proibimos eles de entrarem lá novamente. E em questão de minutos após a chegada da equipe a casa desabou.
A Defesa Civil interditou outras quatro casas próximas ao rio. Uma delas tem risco iminente de desabamento. A cidade decretou estado de calamidade depois da inundação que deixa 5.704 pessoas desalojados e 279 desabrigadas.

O rio Muriaé transbordou no sábado (25) por causa do volume de água recebido do Espírito Santo e Minas Gerais, onde os temporais causam mortes e prejuízos. Nesta quarta-feira, o nível da água no rio está em 6,33 metros, abaixo da cota de transbordo, que é de 8 metros.

As cheias afetaram nove cidade do estado do Rio: Bom Jesus do Itabapoana, Italva, Itaperuna, Porciúncula, Laje do Muriaé, Natividade, Cardoso Moreira e Santo Antônio de Pádua e Varre-Sai. Ao todo, 15 mil pessoas chegaram a ter que sair de casa.

Fonte: G1


Publicidade

Anterior

Sisu: MEC libera acesso ao resultado

Seguinte

Regina Duarte aceita convite e assumirá Secretaria da Cultura